Cientistas Japoneses filmam peixe a quase 8 km de profundidade

Cientistas japoneses filmaram um peixe que vive a 7,7 quilômetros de profundidade, a maior extensão onde já se encontraram espécies vivas. Até o momento, o peixe que vivia em águas mais profundas havia sido observado a sete quilômetros de profundidade.

Conhecido como Pseudoliparis amblystomopsis, o peixe, de apenas 30 centímetros de comprimento, foi encontrado na costa japonesa do Oceano Pacífico.

A descoberta faz parte do projeto Hadeep, realizado em parceria pelas universidades de Aberdeen, na Escócia, e de Tóquio, no Japão, com o objetivo de varrer o fundo do mar em busca de criaturas que vivem em águas profundas e ampliar o conhecimento sobre a biologia no fundo dos oceanos.

Os cientistas têm trabalhado em uma área conhecida como zona hadal - a designação do fundo do mar situado a mais de 6 mil metros de profundidade, abaixo da zona abissal.

Os cientistas conseguem explorar essas regiões profundas usando sondas operadas por controle remoto e capazes de resistir às imensas pressões da água.

Os "veículos submarinos" possuem ainda uma câmera acoplada para garantir o registro das espécies encontradas no fundo do mar.

"Existe a questão sobre como esses animais vivem nessas profundidades", disse Monty Priede, da Universidade de Aberdeen.

Priede cita três principais problemas para a sobrevivência em águas tão profundas.

"O primeiro é o suprimento de comida, que é bem remoto e vem de oito quilômetros acima", afirma o pesquisador. "Há também a pressão - eles têm de ter todo o tipo de modificações fisiológicas, principalmente no nível molecular."

"O terceiro problema é que as correntes formadas nessas profundidades são como pequenas ilhas em um grande abismo, e não sabemos se são grandes o suficiente para suportar as populações que crescem de maneira endêmica", acrescenta Priede.

O cientista afirma, no entanto, que os peixes parecem ter superado esses problemas. http://g1.globo.com/

2 comentários:

Tânia Marchezin disse...

É a maravilha da vida.
Há mais em nosso planeta, que o homem nem imagina.
Por um lado isto é bom, pois onde o homem póe a mão nem sempre tem um futuro promissor.

João disse...

Donizete,

Fascina-se estes abismos profundos,eles tem um mistério semelhante aos planetas do sistema solar ou ao vasto cosmos...mundos por desvendar.

Abraço amigo,
joao